sexta-feira, 25 de abril de 2008

Momentos...


Momentos...

Por determinados momentos,
até o mais chato,
o mais palhaço,
o mais ridículo
tem os seus momentos
de lucidez,
inteligência
e reflexão...


Anderson Rabelo

Cestos


Bom, nessa aqui eu queria postar um desenho que eu fiz junto da poesia, mas não tenho como digitalizar, então vai a foto que achei.
__________________________________________________________________

Cestos

O pescador se lança ao mar,
solidão na água,
companheiros marinhos,
vida vazia,
cesto completo.

O pescador volta à terra,
companheiras terrestres,
vida completa,
cesto vazio.

Anderson Rabelo

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Teu espelho


Teu espelho

Me vejo no céu com os pés na terra
Minh'alma voa e eu trêmulo não sei
se estou aqui, se estou em mim.

Eu vejo as estrelas e posso pegá-las
Eu sinto tua sombra e posso tocá-la
De olhos abertos eu sonho e tento buscar você.

Eu conto até o infinito e não canso;
Eu luto contra o próprio Golias e não perco;
Mesmo com notas erradas eu canto;
E até no meu sonho impossível eu te beijo.

A mais alta torre eu alcanço;
O mais baixo som eu percebo;
Me livro das minhas vontades
Para que eu possa, um dia, ser teu espelho.

Anderson Rabelo

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Canção do imigrante


Bom, todos conhecem o texto do grande Gonçalves Dias "Canção do Exílio" né? Bom resolvi parodiá-la para a realidade do sertanejo que busca a sua sustentação!

____________________________________________________________________

Canção do imigrante

Minha terra tem aipim
que a fome vem matar;

A fome que no sul nós passa,

nós num passa, tem mungunzá.


Nosso céu tem mais estrelas,
Nossos tanques pouca água.
Mas em casa nós conversa

Nós num vê as paiaçada.

Em cismar, sozinho, à noite,

Mais prazer encontro eu cá;
Minha terra tem viola,
Onde eu toco e vou cantá.

Anderson Rabelo

domingo, 20 de abril de 2008

Olhos de Kyara




Priminha, essa é pra você viu? Espero que goste!!!
_____________________________________________________________


Olhos de Kyara

Olhos fitam um horizonte de beleza infinita

tal como é a beleza dos seus olhos
que observam como o vento toca os seus cabelos
e a água do mar beija os seus pés.

Olhos de clareza tão intensa

que de observar-me, deixa-me constrangido.
Olhos serenos bonitos de pessoa tão bela.

Olhos de pantera,
olhos que ora brilhara.
Olhos tão perfeitos,
olhos de Kyara.

Anderson Rabelo

sábado, 19 de abril de 2008

É isso






Bom, essa música eu fiz pra um sábado maravilhoso que eu tive, descrevo em partes o que aconteceu nesse dia bom! ^^
____________________________________________________________________________________

É isso

Sábado à noite
preciso te ver.
Salva o meu dia
vou enlouquecer
se eu não tiver você aqui


tão linda tão cheirosa
nos meus braços linda rosa!
Um perfume
de amor se espalha em toda a casa.


Um copo de vinho pra relaxar,
e um leve som casa com o teu olhar
de certa incerteza de existir um amar!


Um leve carinho, uma troca de olhar,
um gesto, um beijinho, sem nada a falar.
O amor e a razão já não têm mais lugar!


Ontem sonhei com você.
Foi tão lindo, foi perfeito.
Outra noite que foi salva
mas eu acordei e perdi você para o Hipnos


Não quero mais acordar.
Outra dose de você
eu quero, ah! se quero!
Ver
o nascer do sol com você comigo!


Um copo de vinho pra relaxar,
e um leve som casa com o teu olhar
de certa incerteza de existir um amar!

Um leve carinho, uma troca de olhar
um gesto um beijinho, sem nada a falar
o amor e a razão já não têm mais lugar!


Amor é som
Que todos ouvem,
é dor tão forte e gritante.

Quem não ouviu?
Quem não sentiu?
Ainda não vive ou nunca existiu!

Anderson Rabelo

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Banquete de palavras




Banquete de palavras

O poeta viu as palavras.
Achou-as suculentas,
resolveu prová-las.
Comeu, mastigou até engolir.
O poeta se empanturrou de palavras
e passou mal,
O poeta vomitou as palavras
e assim nasceu o poema.

Anderson Rabelo
video

Bom, essa música eu fiz pra uma amigona minha que mora em Jequié, amiga-amante, menos que um amor, mais que uma amizade, uma irmandade!!!! Bom, a letra é bonitinha, espero que curtam!

Abraços
_____________________________________________________________________________________

Sinara


Olhos de lente que refletem o sol
riso macio que me traz a luz.
Passos de fada e doce voz
que me traduzem
o sentido da palavra amor:
amor fraternal, maternal, desigual.
Perco a noção do que é o tempo e o espaço.

Só dá você em mim
e eu tão vazio por dentro.
O que ainda há aqui é uma pequena chama que risca o céu
com seu nome.

Olhos nos olhos de quem quer se amar.
Boca na boca; pra quê se beijar
se o Sol e a Lua quase nunca se encontram?
Mesmo assim surgiu o fruto do amor:
olha que lindos esses girassóis
frutos tão belos do amor dos astros.

Anderson Rabelo

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Ame




Ame

Escrevo amor porque preciso;
Escrevo amor porque o ódio existe;
Escrevo amor porque seu trono é nosso
e o amor não reina.


Ninguém me lê, quem lê me diz ser romântico.
Não sou.
Só preciso de amor e você também,
por isso escrevo, descrevo e até prescrevo.

Ame,
ame,
ame,
ame...

Anderson Rabelo

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Reflexão sobre a felicidade


Reflexão sobre a felicidade

A felicidade não está em ser ou ter alguém de grande importância ao seu redor. Não está em ter sempre em mãos aquilo que queremos.
A felicidade, na verdade, não nos pertence.

Aquilo que pensamos, ou melhor, ansiamos que seja felicidade, não passa de utopia. A partir daí ocorre a decepção; decepção com a vida, perda da essência do que é viver, falta do "eu" e temos aí a depressão.

Felizes aqueles que sorriem com trocadilhos ridículos e idiotas e não vivem de críticas à vida alheia e futilidades outras.

Felizes os que sabem viver, ou ao menos tentam e, assim, ganham suas vidas novamente.

Felizes os loucos, imbecis, rejeitados, renegados e não os populares, estes sofrem de uma necessidade especial de atenção a qual já superamos.

O que seria dessa doce vida se não sorríssemos de uma criança que ri com bobagens como um simples rasgar de papel? O problema é que crianças crescem, e junto disso, perdem a inocência para um mundo malicioso e infeliz como este.

Felizes os pequeninos, porque ainda não sabem viver.
Pobres de nós, crescemos.

Anderson Rabelo