sexta-feira, 28 de janeiro de 2011



Engraçado como o presente
nos soa tão pretérito.

Anderson Rabelo

Um comentário:

Bruno Soft disse...

O futuro dos poetas é demérito